PT vai indicar nomes para a CPI mista da Petrobras até terça, diz Vicentinho.

16/05/2014 11:17
 
 
 
 
O líder do PT na Câmara, Vicentinho (PT-SP) (Foto: Gustavo Lima/Câmara)O líder do PT na Câmara, Vicentinho.

O líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), afirmou nesta quinta-feira (15) que vai apresentar até a próxima terça (20) os nomes dos petistas que irão integrar a CPI mista da Petrobras, composta por deputados e senadores. Defensor de uma CPI exclusiva no Senado, o PT decidiu deixar para o último dia doprazo a apresentação da lista de parlamentares que o representarão no colegiado que irá investigar denúncias sobre a estatal.

O prazo de cinco sessões estabelecido pelo presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), para a indicação dos integrantes da comissão se encerra na terça que vem. Até agora foram realizadas quatro sessões da Câmara, faltando apenas uma para completar o prazo.

À frente da maior bancada da Câmara, Vicentinho disse que “não fará como a oposição”, que se recusou a indicar os nomes de seus representantes para a CPI da Petrobras formadaexclusivamente por senadores. PSDB e DEM se negaram a apresentar parlamentares para a comissão exclusiva do Senado porque o governo tem ampla maioria na Casa e uma base mais fiel. Os oposicionistas acreditam que com a presença de deputados terão maiores condições de aprofundar as suspeitas envolvendo a pretroleira.

“Não fazemos como a oposição. Eles fazem o discurso e praticam outra coisa. Quiseram a CPI da Petrobras e agora atrapalham a criação. Vamos participar, sim, da CPI mista, com muita firmeza elealdade”, afirmou Vicentinho.

Na Câmara, somente PT e PROS, mais novo partido aliado ao governo, ainda não indicaram nomes para a CPI mista da Petrobras. Os petistas têm direito a duas vagas no colegiado e o PROS, a uma.

No Senado, seis dos dezesseis integrantes titulares da CPI mista já foram designados pelos líderes partidários. Entre a oposição, serão Alvaro Dias (PSDB-PR), Mário Couto (PSDB-PA) e Jayme Campos (DEM-MT). Dos partidos aliados, já foram escolhidos Antonio Carlos Rodrigues (PR-SP), Gim Argello (PTB-DF) e Ataídes Oliveira (PROS-TO).

A liderança do PT no Senado deverá indicar os nomes até o final do prazo de cinco sessões legislativas e não usará da mesma tática da oposição, que se recusou a designar nomes com o objetivo de pressionar pela CPI mista. A estratégia do partido, porém, continuará  a de “dar carga” à comissão no Senado.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) disse que seu partido “não vai deixar de dar funcionamento à CPI restrita ao Senado”, mas admitiu que haverá um “excesso” de comissões. “Já tem uma [CPI] no Senado, que é por determinação judicial, e vai ter outra no Congresso. espero que congresso de conta de tocar essas duas CPIs”, disse a petista.


Cabe ao relator a elaboração do documento final das investigações resultantes da atuação da CPI, com sugestões, por exemplo, de indiciamento de suspeitos da prática de crimes. Já o presidente conduz os trabalhos da comissão, marcando reuniões e ditando o ritmo das sessões.

Relatoria
De acordo com Vicentinho, o PT deverá ficar com a relatoria da comissão, porque é o partido com a maior bancada na Câmara. Já o PMDB, que tem a segunda maior bancada, deve ocupar a presidência.

O líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), afirmou que a oposição vai se mobilizar para que a primeira sessão da CPI mista ocorra na próxima quarta (21), mesmo que nem todos os partidos tenham apresentado nomes para o colegiado.

No caso de não haver indicação pelas siglas, a escolha fica para o presidente do Congresso, que terá três sessões para nomear os integrantes da comissão.

“A oposição entende que, tendo maioria, metade mais um, a gente pode instalar a CPI e fazer sessão. Na terça-feira, quando vencer o prazo, estamos querendo expor no painel os nomes dos indicados. E na quarta estou combinando a reunião de instalação”, ressaltou Mendonça Filho.

 

 

 

 

 

 

Jornal Folha do Rio.