Grupo que estava acampado perto do prédio onde mora o governador é retirado.

02/07/2013 10:57

Os manifestantes foram levados para a 14ª DP (Leblon)
Foto: Fernando Quevedo / O Globo

Os manifestantes foram levados para a 14ª DP (Leblon)FERNANDO QUEVEDO

 

RIO - Um grupo de 15 manifestantes, que estava acampado no cruzamento da Avenida Delfim Moreira com a Rua Aristides Espínola, no Leblon, Zona Sul da cidade, próximo ao prédio onde mora o governador Sérgio Cabral, foi retirado por policiais militares na madrugada desta terça-feira. Na ação, um homem foi detido por desacato à autoridade e dano ao patrimônio público. Ele pagou fiança e foi liberado. Na 14ª DP (Leblon), o grupo reclamou de truculência da polícia.

 

De acordo com os manifestantes, os policiais chegaram por volta das 2h30m, no momento em que a maioria deles dormia. Todo o material usado no acampamento foi levado para a delegacia. O pintor Jair Rodrigues, de 37 anos, foi detido, após ter reagido à prisão.

Segundo a estudante Luiza Dreyer, de 22 anos, a ação foi tão truculenta que uma mulher, que seria esposa de um bombeiro,e estava no acampamento, passou mal. Ela teve que ser levada para o hospital. Luiza disse que cerca de 60 policiais participaram da ação.

— Foi tudo feito escondido, num momento em que todos estavam dormindo e chovia muito. Ficamos muito tempo para colocar lonas para evitar que nossas coisas molhassem. Porém, os policiais chegaram e derrubaram tudo, quebrando as barracas e molhando roupas, livros e alimentos. Desde que nos instalamos na rua, não tivemos problemas com a polícia. Tínhamos um bom diálogo. Ainda prendaram o Jair, que se assustou com a chegada deles, pois estava dormindo — contou Luiza, que participou da manifestação desde o primeiro dia.

Apesar da desocupação, alguns manifestantes continuaram no local, protegidos embaixo de marquises. Segundo o grupo, a manifestação vai continuar até que eles sejam atendidos pelo governador Sérgio Cabral.

Com uma lista de reivindicações, os manifestantes estavam no local desde o dia 21 de junho, quando ocuparam as vias com barracas e colchonetes, cobrando uma reunião com o governador. Durante a ocupação, a Avenida Delfim Moreira foi interditada na altura da Rua Aristides Espínola, no sentido São Conrado. Na ocasião, o trânsito foi desviado pela Avenida Ataulfo de Paiva e pela Rua Humberto de Campos.


JORNAL FOLHA DO RIO.