Família de menino morto em área de UPP nega que ele estivesse armado.

16/01/2015 11:07
  •  
Patrick foi morto na comunidade Camarista Méier (Foto: Reprodução )Patrick foi morto na comunidade Camarista Méier.

A família de Patrick Ferreira de Queiroz, criança de 11 anos que morreu após ser baleada após um tiroteio envolvendo PMs na Cominidade Camtaista Meier, nega que a arma que a polícia afirma ter encontrado junto ao corpo seja da criança. 

Segundo o pai,  Daniel Pinheiro de Queiroz, que chegou na manhã desta sexta-feira (16) para retirar o corpo do Instituto Médico Legal,  a família estaria preparando uma festa de aniversário para o jovem, que completaria 12 anos neste sábado (17).

"O sentimento é de tristeza, só isso. A gente tava preparando uma festa para ele, comprei pipa, linha, tudo", disse.

De acordo com a irmã de Patrick, Scarlet de Queiroz, o jovem não estaria envolvido com o tráfico de drogas na comunidade. A Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) informou que o menino foi baleado após um tiroteio, mas a família nega que ele tenha envolvimento como tráfico.

"Ele era de brincar na comunidade, não tinha necessidade deles terem feito isso. Na hora dos tiros ele correu e foi baleado nas costas, covardia. O menino é menor do que eu, ele não sabe manusear um revólver. Como ele foi atirar no policial? Não tem como", disse a irmã Scarlet de Queiroz.

Outra reclamação da família de Patrick é a de que os policiais impediram o reconhecimento do corpo do menino logo após o tiroteio. Eles alegam que o corpo da criança foi cercado e ninguém podia ter acesso.

"Eu só escutei os tiros e foram quatro tiros de fuzil. Depois de três ou quatro tiros vieram me chamar. Peguei meus documentos e quando eu cheguei no local falei: 'falaram que meu filho ta baleado aí'. E os policiais cercaram o local e não deixaram eu subir e ficavam falando entre eles assim 'e aí? Já acabou? Já foi?'. Meu filho tava correndo atrás de pipa, não ta envolvido no crime", disse o pai.

Pistola e rádio
A criança de 11 anos morreu a tiros na manhã de quinta-feira (15) na comunidade Camarista Méier, Zona Norte do Rio, após ser baleada. PMs da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da região afirmam que se envolveram num tiroteio envolvendo traficantes de drogas da região na mesma manhã, e que a criança estava entre eles.


De acordo com a 25ª DP (Engenho Novo), o caso foi registrado como homicídio decorrente de intervenção policial. Foi realizada perícia no local e o corpo encaminhado para exame de necropsia no IML. Os policiais foram ouvidos e as armas apreendidas e encaminhadas á perícia. As investigações estão a cargo da 26ª DP (Todos os Santos).

Segundo a Coordenadoria de Polícia Pacificadora, com o garoto foi apreendido com uma pistola, uma mochila e um rádio transmissor. 

PMs da região alegam que se envolveram em tiroteio com traficantes (Foto: Reprodução / TV Globo)PMs da região alegam que se envolveram em tiroteio com traficantes.