Dilma se reúne por três horas com presidente do Uruguai no Alvorada.

11/11/2013 10:44

A presidente Dilma Rousseff e seu colega uruguaio José Mujica se reuniram por mais de três horas neste domingo (10), no Palácio da Alvorada, em Brasília. Mujica, que pediu o encontro, chegou à residência oficial da Presidência às 17h10 e só deixou o local por volta das 20h15, sem falar com a imprensa. Antes do encontro com Mujica, Dilma foi à sede do PT para votar nas eleições internas do partido.

O assunto da reunião com o líder uruguaio não foi divulgado pela assessoria do governo, mas segundo informou o site da Presidência do Uruguai, o objetivo era discutir os resultados do Grupo de Alto Nível criado em 2012 para dar mais celeridade aos negócios entre os dois países, além de debater a conexão energética entre os países, o acordo entre União Europeia e Mercosul e a continuidade de militares uruguaios no Haiti – o Brasil coordena a missão das Nações Unidas para a estabilização do país.

Pelo lado brasileiro, participaram do encontro os ministros Luiz Alberto Figueiredo (Relações Exteriores) e Fernando Pimentel (Comércio Exterior), além do assessor especial da presidente para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia.


A presidente Dilma Rousseff com o presidente do Uruguai, José Mujica, no Palácio da Alvorada (Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência)

Mujica foi acompanhado do chanceler do Uruguai, Luis Almagro, e outros asssessores. O presidente do Uruguai seguiria direto para o aeroporto a fim de embarcar para Caracas, onde nesta segunda (11) tem encontro marcado com o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

A pauta da reunião inclui temas de infraestrutura e de interesse regional. A presidente tem retorno previsto para a noite desta segunda.Também nesta segunda, Dilma embarca pela manhã para Lima, onde se encontra com o presidente do Peru, Ollanta Humala, em visita oficial ao país.

Durante o encontro bilateral, Dilma e Humala devem assinar um acordo de compartilhamento de dados da rede de telecomunicações na região fronteiriça. Na prática, o compartilhamento possibilitará que não seja cobrado roaming internacional nas ligações de celular entre cidades na fronteira entre os dois países.

Outro tema a ser debatido são as possibilidades de integração de transportes, seja por meio de rodovias ou ferrovias. Em 2011, foi inaugurada a Rodovia Interoceânica, que liga Porto Velho (RO) a dois portos importantes no Peru e, só entre janeiro e setembro de 2013, o comércio cresceu 9% em relação ao ano anterior entre as duas nações. Devem ser debatidas iniciativas semelhantes.

Também estará na pauta dos dois governantes temas regionais, ligados à Unasul (União das Nações Sul-Americanas). O bloco, formado pelos 12 países da América do Sul, está em processo de escolha do novo secretário-geral. Um dos concorrentes é o peruano Francisco Eguiguren. Outro país que apresentou candidatura foi a Bolívia, com René Orellana. O Brasil ainda não decidiu quem apoiará.

No final de semana, Humala disse que a visita de Dilma aprofundará "as relações de amizade, cooperação e desenvolvimento entre as duas nações", segundo informou a agência France Presse. Segundo o presidente peruano, o Brasil é um dos países emergentes no mundo, com uma extensa fronteira com o Peru, "razão pelo qual é importante alcançar acordos de desenvolvimento e de cooperação".

O encontro de Dilma com Humala será pela manhã no Palácio do Governo peruano. Lá, haverá um encontro a portas fechadas entre os dois, assinatura de atos e declaração à imprensa. Depois, a presidente brasileira será recebida pela prefeita de Lima, Susana Villarán, que organizou uma cerimônia para entregar a chave da cidade para Dilma.

 

Jornal Folha do Rio.