Dilma ofereceu ministério para o PROS, afirma líder do partido.

12/11/2013 09:49

O deputado Givaldo Carimbão (AL), líder na Câmara do recém-criado PROS, afirmou nesta segunda-feira (11) que a presidente Dilma Rousseff convidou o partido para integrar o governo. O PROS (Partido Republicano da Ordem Social) obteve em setembro o registro da Justiça Eleitoral e atualmente conta com uma bancada de 18 parlamentares na Câmara dos Deputados.

Segundo Carimbão, não foi discutida com a presidente a pasta que seria oferecida ao partido na reforma ministerial prevista para o fim do ano. Nesta segunda-feira, em Lima, Dilma voltou a afirmar que substituirá até dezembro os ministros que disputarão a eleição do ano que vem – pela legislação, eles só precisariam sair seis meses antes da eleição.

Carimbão disse que conversou, na última quarta-feira (6), com o governador do Ceará, Cid Gomes (PROS). Segundo o deputado, ele e o irmão, o ex-ministro Ciro Gomes, que também entrou no partido, estão relutantes em relação a aceitar um ministério. De acordo com Carimbão, os dois querem evitar as acusações de que deixaram o PSB para conseguir um ministério.

“Ela nos convidou, ela fez um convite. Em dezembro, ela disse que na reforma ministerial, ela gostaria da participação do PROS no governo”, afirmou Carimbão, ao sair de reunião de líderes partidários com a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, no Palácio do Planalto.

Apesar disso, Carimbão diz que o nome do partido para assumir uma pasta no governo é Ciro Gomes. “Como nós temos o Ciro, vou tentar convencê-lo”, afirmou.

“Se depender de mim e do presidente da Executiva Nacional [Eurípedes Júnior], eu trabalharei nessa direção. É um grande quadro que nós temos. Mas depende muito da conversa com ele”, completou.

Carimbão fez questão de ressaltar que, independentemente de ministério, a legenda já faz parte da base governista.

Reunião no Planalto
No final de outubro, a presidente Dilma Rousseff recebeu pela primeira vez integrantes do PROS no Palácio do Planalto.

Na ocasião, Carimbão relatou que um dos assuntos tratados foi a possibilidade de palanques conjuntos nas eleições em 2014 com possíveis candidatos a governador em ao menos cinco estados.

O PROS estuda lançar Ciro Gomes (Ceará), os deputados Major Fábio (Paraíba) e Miro Teixeira (Rio de Janeiro), além do vice-governador José Melo de Oliveira (Amazonas) e do suplente de senador Ataídes Oliveira (Tocantins). A legenda pediu apoio de Dilma em troca dos palanques para a sua reeleição.

PP
O PP, partido que aliou ao PROS e formou um novo bloco parlamentar na Câmara, também quer um novo ministério no governo Dilma. Atualmente, o partido detém o Ministério das Cidades – o ministro é o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Segundo afirmou o presidente do partido, o senador Ciro Nogueira (PI), a intenção é ocupar o espaço deixado pelo PSB, que no último mês anunciou a entrega de todos os cargos que ocupa no governo federal.

O PSB pretende lançar para presidente da República, para concorrer contra a presidenteDilma Rousseff, o presidente da sigla, o governador Eduardo Campos (PSB-PE).

“O PP tem sido o partido mais fiel ao governo. Há discussão no PP pelo crescimento. Estamos pleiteando mais um ministério, em especial o da Integração”, disse Nogueira ao G1 em outubro. A pasta era chefiada até o último dia 1º por Fernando Bezerra, do PSB.

 

Jornal Folha do Rio.