Após estrear em Davos, Dilma faz escala sigilosa em Lisboa.

27/01/2014 10:50
Dilma participa do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça pela primeira vez. (Foto: Denis Balibouse/Reuters)Dilma participa do Fórum Econômico Mundial, em
Davos, na Suíça, pela primeira vez.

Após estrear no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, a presidente Dilma Rousseff reservou o último sábado (25) para descansar em Lisboa antes de seguir viagem para Cuba, onde realiza visita oficial segunda (27) e terça-feira (28). A hospedagem em Portugal não estava prevista na agenda oficial divulgada pela assessoria da Presidência da República na última sexta (24).

Na tarde deste domingo (26), depois de a passagem da presidente por Lisboa ter sido noticiada por veículos de imprensa brasileiros, o Palácio do Planalto divulgou uma alteração da agenda presidencial, incluindo a estadia em Portugal no roteiro.

 

No final da tarde deste domingo, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República divulgou nota em que nega que a escala da comitiva presidencial em Lisboa tenha sido “desnecessária.” De acordo com a nota, a parada era “obrigatória” porque a aeronave oficial, um jato Airbus A319, não tem autonomia para um voo entre Zurique e Havana.

“Dependendo de condições climáticas, o Airbus 319 presidencial tem autonomia média em torno de 9 horas e 45 minutos, tempo insuficiente para um voo direto entre Zurique e Havana. A opção por Lisboa foi a mais adequada, já que se trata do aeroporto mais a oeste no continente europeu com possibilidades de escala técnica”, diz.

Segundo a nota, a decisão de fazer o voo diurno até Cuba “foi tomada pela Aeronáutica a partir da avaliação das condições meteorológicas que permitiram que o trecho Lisboa-Havana fosse coberto no domingo em 9 horas 45 minutos.”

A Presidência nega ainda que Dilma tenha passado o sábado em Lisboa. De acordo com a nota, a presidente chegou na cidade às 17h30 “e lá pernoitou, seguindo viagem na manhã seguinte [deste domingo].”

Comitiva ocupa 30 quartos em hotéis
Durante a estadia em Lisboa, Dilma e sua comitiva ocuparam 30 quartos de dois hotéis da cidade, o Ritz e o Tivoli. A presidente se hospedou em uma suíte presidencial do Ritz, ao custo de 8 mil euros por dia, o equivalente a R$ 26,2 mil.

O jornal procurou o Palácio do Planalto, mas a assessoria não informa quantas pessoas acompanham Dilma na viagem por questão de "segurança". A assessoria do Planalto  confirmou, porém, que fazem parte da comitiva os ministros Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), Luiz Alberto Figueiredo (Relações Exteriores) e Helena Chagas (Secretaria de Comunicação Social da Presidência).

Na noite deste sábado, segundo informações do jornal “O Estado de S. Paulo”, Dilma jantou com o embaixador do Brasil em Portugal, Mário Vilalva, e a ministra da Secretaria de Comunicação Social, Helena Chagas, em um restaurante de Lisboa.

O Líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), divulgou neste domigo (26) nota em que chama de “disparate” a estadia da presidente e sua comitiva em Portugal, que segundo ele ocorreu “em sigilo” e sem que a presidente tivesse "compromissos oficiais." Ele diz ainda que o desembolso para a hospedagem de Dilma e sua comitiva em Lisboa é “uma gastança desnecessária.”

Visita a Cuba
Conforme assessores do governo federal, a comitiva presidencial deve desembarcar na ilha governada por Raúl Castro neste domingo. Nesta segunda, a chefe do Executivo brasileiro irá inaugurar, ao lado do colega cubano, a primeira fase do Porto de Mariel, obra financiada pelo BNDES.

No dia seguinte, Dilma participará, em Havana, da 2ª Cúpula da Comunidade dos Estados  Latino-americanos e Caribenhos (Celac). O evento internacional terá como tema a luta contra a fome, a pobreza e as desigualdades na região.


Em seu discurso a chefes de Estado e empresários do mundo inteiro, na última sexta-feira (24), a presidente se esforçou para "vender" uma imagem positiva do Brasil ao exterior. Na tentativa de dobrar as desconfianças de investidores estrangeiros com o país, a chefe do Executivo teceu, ao longo de cerca de meia hora, uma lista de oportunidades de negócios oferecidas pelo Brasil e destacou medidas adotadas por seu governo com o objetivo de equilibrar a economia.

Fórum Econômico Mundial
No último ano de seu mandato à frente da Presidência da República, Dilma Rousseff fez sua primeira participação no Fórum Econômico Mundial, evento que reúne em Davos, na Suíça, parte considerável do PIB mundial.

 

 

 

 

 

Jornal Folha do Rio.