Família do quanto mais, melhor!

18/12/2017 18:12
 
Já não bastasse os inúmeros escândalos recentes protagonizados pelo polêmico e incerto presidente nacional do PHS Eduardo Machado, a cômica, se não fosse trágica história, agora ganha novos capítulos.
 
O seu enteado, laranja e mais novo sócio nomeado de forma absurda e posteriormente revogada pela justiça ao cargo de secretário geral nacional do PHS (cargo de maior expressão da sigla, depois da presidência nacional) Gustavo Roriz Leão foi denunciado por seguir os mesmos passos do seu padrasto e professor de práticas corruptas, Eduardo Machado.
 
De acordo com as várias denúncias que já transcorrem na justiça, ambos, filho e padrasto, foram acusados de acumularem durante um bom tempo, salários pagos com dinheiro público provenientes de cargos por eles ocupados, que deveriam ser de dedicação exclusiva. 
 
  
 
É sabido que à luz das leis que regem a Administração Pública, essa prática é considerada crime de improbidade administrativa, pois causa prejuízos ao erário, ou seja, aos cofres públicos que advém do bolso de todos os cidadãos de bem que pagam seus impostos e esperam, no mínimo, que seu dinheiro seja revertido em melhorias na saúde, segurança, educação, entre outros.
 
A informação é que Machado foi acusado de receber irregularmente salários que juntos ultrapassavam o montante de R$ 55 mil reais mensais, enquanto ocupava de forma simultânea, os cargos de presidente nacional do PHS e de secretário de estado no Governo de Goiás.
 
No caso de Gustavo Leão a situação é ainda mais grave, pois além das acusações de acúmulos de proventos, por manter dois vínculos em cargos comissionados, o que é vedado por lei, sendo um na Câmara Federal e outro no Governo Municipal do Estado do Tocantins, Leão nunca compareceu um dia se quer a um dos seus dois locais de trabalho para cumprir expediente, ou seja, se tratava de funcionário popularmente conhecido como fantasma.
 
 
A denúncia chegou ao Ministério Público que está investigando como Gustavo Roriz, trabalhou na Assembleia Legislativa do Tocantins, indicado pela deputado Estadual Luana Ribeiro, ao mesmo tempo que trabalhava na Câmara dos Deputados, morava em Goiânia e de acordo com suas redes sociais viajava pela Europa.
 
Gustavo deverá responder por improbidade administrativa e uma ação penal será proposta para ressarcir os cofres públicos do dinheiro que recebeu. O mesmo deve acontecer com Eduardo Machado, que por determinação do presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, responde a investigação da Policia Federal e do MPF.
 
 
 
Outro ponto em comum da família Machado Roriz Leão, além de receberem muitos salários, com o dinheiro do povo, e sem trabalhar é a mania de ostentarem fotos em suas redes sociais em restaurantes ou ambientes finos, sempre regados de muito luxo, charutos cubanos, bebidas caras, sendo que a poucos anos ambos declaravam ser isentos na apresentação do Imposto de Renda, este fato despertou a curiosidade de fiscais da Receita Federal e nova confusão está à vista.
 
Fonte: GOSTO MAIS 6 TUDO!
 
 
Jornal Folha do Rio